Uso de abreviaturas causa erros de medicação

Por Marcela Zanatta *

É sabido que cada paciente internado está sujeito a um erro de medicação por dia nos Estados Unidos da América, sendo que anualmente ocorrem 400 mil eventos adversos relacionados a medicamentos e que poderiam ser evitados, provocando mais de 7.000 mortes.

Apesar dessas estatísticas não estarem disponíveis no Brasil, é relevante trabalhar na  prevenção dos erros de medicação e do risco de dano em função da sua ocorrência. As falhas no processo de utilização de medicamentos são consideradas importantes fatores contribuintes para a redução da segurança do paciente.

10 medicamentos da quimioterapia mais promissores Cabozantinibe Transtuzumabe Tivozanib Brentuximab vedotin Ponatinib Vemurafenib OncoVex Vismodegib Crizotinib Carfilzomib lenal

Uma prescrição de “5U” de insulina foi erroneamente interpretada como 50 unidades, causando uma parada cardiorrespiratória e óbito do paciente, conta o Boletim do Instituto para Práticas Seguras no Uso de Medicamentos (você pode ver aqui).

As abreviaturas podem ser utilizadas para representar o nome do medicamento, a dose, a via ou a frequência de administração. Apesar de simplificarem a redação, podem causar dúvidas, interpretações equivocadas e os erros. Estudos descritos na publicação revelam terem encontrado abreviações em até 80% das prescrições avaliadas e cerca de 33,3 por prescrição.

Não apenas as abreviações, mas a utilização de símbolos, números com vírgula, expressões de doses e uso de papel pautado podem gerar erros na interpretação das prescrições. Por exemplo, os símbolos maior (>) e menor (<) podem ser confundidos com letras e números. A utilização da vírgula sem o zero antes (,1 mg ao invés de 0,1mg) ou o uso de zero após a vírgula para expressar números inteiros (5,0 mg ao invés de 5 mg podem ser confundidos com 50 mg) podem ser associados a erros de dose de medicação.

quimioterapia

Assim, entre as ações para a prevenção de erros associados às abreviaturas são simples e efetivas. O ponto essencial é a educação em serviço e a divulgação de uma lista contendo abreviaturas, siglas e símbolos que nunca devem ser utilizados, como fórmulas químicas, abreviação de nomes de medicamentos, “unidades” e “unidades internacionais” (U e UI, respectivamente).

Para a sua unidade de saúde, utilize os seguintes norteadores para evitar os erros de medicação decorrentes de abreviações:

 

 

  • Evitar o uso de abreviaturas, siglas, símbolos, expressões de dose confusas ou qualquer outra forma de escrita abreviada em prescrições (grafadas, digitadas, informatizadas ou verbais), bulas, rótulos, embalagens de medicamentos e etiquetas de identificação dos locais onde eles são armazenados e em outros documentos utilizados por profissionais de saúde no sistema de utilização de medicamentos.

  • Elaborar uma lista de abreviaturas, siglas e símbolos perigosos cuja utilização é proibida devido ao risco de erro de medicação e com as respectivas explicações sobre o motivo para o não uso.
  • Divulgar amplamente na instituição a lista de abreviaturas proibidas, em formatos de fácil acesso, nos diferentes setores onde se realizam as prescrições, a distribuição e o preparo dos medicamentos para administração.
  • Farmacêuticos e atendentes de farmácia: recusar prescrições ilegíveis ou contendo abreviaturas e siglas proibidas. 
  • Realizar verificações ou auditorias regulares para certificar-se de que o uso de abreviaturas e siglas foi eliminado
  • Orientar o paciente e a equipe de enfermagem e farmácia a nunca tentar deduzir o significado de qualquer abreviatura presente em uma prescrição, e sempre perguntar ao prescritor o significado de cada uma. 
  • Implantar a prescrição eletrônica, configurando o software de prescrição de modo que a utilização de abreviaturas não seja permitida.
  • Usar sempre papel sem pauta para evitar erros de interpretação ocasionados pelo encontro das linhas com letras, números, vírgulas e pontos usados na prescrição.
  • ABOLIR imediata e definitivamente: nomes de medicamentos abreviados ou fórmulas químicas para designá-los; doses expressas sem a utilização do zero antes da casa decimal, à esquerda do número (exemplo: nunca escrever “,5 miligramas”; escrever sempre “0,5 miligramas”); doses expressas utilizando o zero após a casa decimal, à direita do número quando este for inteiro (exemplo: nunca escrever “5,0 mililitros”; escrever sempre “5 mililitros”); abreviaturas U (unidades) ou UI (unidades internacionais) devido ao risco de equívoco de interpretação (confusão com o numeral “0”) e consequente multiplicação da dose por dez.
  • Treinar os profissionais de modo a estabelecer uma cultura de segurança, ressaltando a importância de medidas para evitar erros de medicação.

Cuidar da segurança na administração de medicamentos através do cuidado com as abreviaturas é possível e factível para todas as unidades de saúde. Comece agora! 

 

*Marcela Zanatta é enfermeira obstetra, coordenadora do GT de Saúde da Mulher do COREN-SP e responsável pela supervisão da UTI de Adultos e Educação Continuada do Caism

Copyright © 2018 - CAISM/UNICAMP - Todos Direitos Reservados.